COMEC, o que é isso?

Confederação da Mocidade Evangélica Congregacional. Departamento ligado a UIECB. Aqui você ficará sabendo de tudo dos jovens congregacionais no Brasil.

INFORMAÇÕES DE CONTATO
  • Endereço:R.Visconde de Inhaúma nº 134/19º andar,
    Rio de Janeiro/RJ.
  • Tel: (21) 2203-8850
  • Email: comecuiecb@gmail.com

Jovens, se o Senhor é a nossa força, o que tem nos enfraquecido?

img
Jovens, se o Senhor é a nossa força, o que tem nos enfraquecido?

“Jovens, eu vos escrevi, porque sois fortes, e a palavra de Deus permanece em vós, e tendes vencido o Maligno.”

1 João 2.14b

Queridos, hoje meditaremos um pouco na primeira carta do apóstolo João, dentro do tema que nos foi proposto: “Jovens, o Senhor é a nossa força – o que tem nos enfraquecido?”. É evidente que temos sido fracos em nossa missão. Vivemos dias, na pós-modernidade, onde sinônimo de força é a rebeldia, é a luta contra o sistema “opressor”, dias de mundanização de nossas igrejas, e consequentemente nossa juventude. Talvez a grande questão não deva ser direcionada apenas para nossos jovens, mas sim também para toda a igreja.

A partir da pergunta primária, nos surge outro questionamento: Igreja, se o Senhor é verdadeiramente nossa força, por que somos fracos? Visto isso, um silogismo nos chama atenção, de modo que se o Senhor é a nossa força, e somos fracos, se entende que a nossa força não esta mais conosco. Deste modo, Igreja, somos fracos porque o Senhor já não tem sido mais a nossa força.

Parece um pouco impactante e conflitante, mas de fato é, e esse é o objetivo. Com isso, precisamos reencontrar um caminho de volta para o fortalecimento. Precisamos regressar para a sã doutrina e retomar a centralidade de nossas mensagens, que é Cristo. E esse caminho, conforme João nos adverte, está diretamente ligado à nossa juventude. Precisamos, então, redescobrir aquilo que nos torna fortes. Precisamos redescobrir ou reencontrar o Senhor Deus em nossas vidas, em nossas igrejas.

Então, quando olhamos para esse texto, a gente observa algumas coisas interessantes naquilo que João escreve. João é enfático ao falar dos jovens, e, além disso, taxativo ao classificá-los como fortes.

E para nos contextualizar, João escreve a estas igrejas da Ásia menor para combater uma heresia que vinha crescendo com o passar dos anos naquela região, o gnosticismo. Os gnósticos eram pessoas que se diziam cristãs, mas acreditavam que detinham um conhecimento elevado, superior, um conhecimento pleno de Deus. Eles de fato acreditavam que somente através dos ensinos deles é que os jovens cristãos daquela época poderiam obter tal conhecimento.

É nesse contexto que João então escreve para mostrar justamente o contrário. O objetivo era dizer que o conhecimento de Deus não era obtido através daqueles homens que lideravam sobre a igreja, mas sim fruto de uma experiência intelectual, fruto de um relacionamento íntimo e pessoal com Deus. É assim que ele se revela a nós, e dessa forma que temos o conhecimento de Deus.

Então João, após um discurso direcionado a toda a igreja, aos pais, que são entendidos como os maduros na fé, escreve também aos novos convertidos, a quem ele chama de Filhinhos. João foca seu discurso falando aos jovens. Ele nos classifica como fortes, mas tem uma razão para isso, e a razão pela qual os jovens eram fortalecidos e, consequentemente, venciam o maligno não era simplesmente algo relacionado à vitalidade, saúde, disposição ou força e vigor físico que venhamos a ter. A razão pela qual nós jovens somos fortes, ou deveríamos ser, não tem nada a ver com as horas que dispensamos em nossas atividades, como academia, ou aquele futebol sagrado, natação, vôlei, corrida, nem mesmo no nosso crossfit, mas a razão pela qual João chamou aqueles jovens de fortes era porque a Palavra de Deus, ou seja, o conhecimento de Deus, a revelação de Deus estava neles, porque as palavras de Deus permaneciam neles. Essa é a única razão por que aqueles jovens venciam o maligno.

E João ainda afirma que compete aos pais, aos mais amadurecidos na fé, àqueles a quem conheceram a cristo antes, àqueles que conheceram o que existe desde o princípio ensinar a palavra aos jovens, e colocar a palavra no coração e na mente dos jovens. E o que nós temos feito? O que tem acontecido em nossas igrejas que não ensinamos mais a Palavra de Deus aos nossos jovens?

Somos muito bons em fazer, criar e organizar eventos, festas, entretenimento, som, luz, fumaça, iluminação, somos a geração ~radical~. Mas o principal, aquilo que faz com que nossos jovens sejam fortalecidos, aquilo que faz com que nossos jovens vençam o maligno, que é o ensino e a pregação da palavra de Deus, nós temos deixado de lado.

E sem dúvida alguma é por isso que temos jovens fracos na igreja. Não há dúvida de que o que tem nos enfraquecido é o fato de deixarmos a Palavra de Deus, a revelação de Deus, o conhecimento de Deus de lado. É por isso que nossos jovens sucumbem a qualquer oferta, qualquer proposta, qualquer tentação porque não há neles a Palavra de Deus. E isso não é uma crítica somente à juventude da igreja, mas principalmente aos líderes da igreja do Senhor. Vocês têm uma responsabilidade. Vocês são responsáveis pelo ensino da Palavra de Deus para a juventude da igreja. Essa responsabilidade não é apenas do pastor, do seminarista, do diácono ou do líder, essa responsabilidade é de todos aqueles amadurecidos na fé.

Em nossas igrejas, trocamos a exposição da palavra de Deus por sermões temáticos fracos, superficiais e vazios. Palavras de confronto já não estão mais em nossos vocabulários, pois preferimos psicologia barata, autoajuda e apenas palavras de ânimo. Nos moldamos ao mundo, quase sempre com palavras polidas e politicamente corretas. Além disso, evitamos textos bíblicos polêmicos, que falem sobre sexo antes do casamento, dízimo no novo testamento, aborto, homossexualismo, política, economia, etc. Quando muito, falamos sobre a eleição de Deus e, vez por outra, sobre a depravação radical da raça humana. Em nossas EBD’s, já não ensinamos mais a Bíblia, pois preferimos gastar muito dinheiro em revistas e mais revistas que ninguém lê em casa, às vezes nem o professor.

Queridos, nós falhamos no ensino da palavra. A igreja brasileira tem falhado no ensino da palavra. A igreja congregacional tem falhado no ensino da palavra. E é por isso que vemos jovens fracos, cada vez mais entregues aos prazeres e pecados do mundo, ao sexo, às drogas, ao álcool, à lascívia, à concupiscência da carne. Sem dúvida, o que nos enfraquece é a falta da Palavra em nossos corações.

E como bons filhos de Adão que somos, o qual na primeira oportunidade disse a Deus: “Senhor, foi à mulher que tu me destes.”, nós dizemos a Deus: “Senhor, a culpa é da televisão. Senhor, é culpa da novela, do governo. Senhor, Satanás é muito forte, ele investe pesado na nossa juventude. Senhor, a culpa não é minha.

Precisamos assumir nossas responsabilidades, nossos erros. A culpa é nossa. Exclusivamente nossa. Isso porque não ensinamos mais a Palavra de Deus aos nossos jovens, e nem colocamos mais na cabeça deles a Palavra da verdade que é Cristo. Temos deixado de lado a Palavra e temos investido tempo e dinheiro em eventos e esquecido da revelação de Deus.

Essa era a mensagem de João para aquela igreja, e essa é também a mensagem de João para nós. Precisamos conhecer verdadeiramente a Deus enquanto jovens, para sermos fortalecidos na Palavra e, assim, vencer o maligno.

Érico Dias Valviesse Araujo
IEC de Porto Novo (São Gonçalo/RJ)
Seminário Teológico Congregacional de Niterói - STCN