COMEC, o que é isso?

Confederação da Mocidade Evangélica Congregacional. Departamento ligado a UIECB. Aqui você ficará sabendo de tudo dos jovens congregacionais no Brasil.

INFORMAÇÕES DE CONTATO
  • Endereço:R.Visconde de Inhaúma nº 134/19º andar,
    Rio de Janeiro/RJ.
  • Tel: (21) 2203-8850
  • Email: comecuiecb@gmail.com

Reflexões Sobre o Pai Nosso: Abba

img
Reflexões Sobre o Pai Nosso: Abba

Entre as milhares de religiões existentes, o cristianismo traz uma particularidade em sua mensagem que nos chama atenção. Muitas dessas nos levam a ver um deus extremamente distante de tudo e todos, cujo ser supremo é tão sublime que não se pode alcançar qualquer tipo de relacionamento ou afeto aos seus seguidores. Estes são levados a servir simplesmente cumprindo ordens e leis, levando uma vida extremamente legalista que muito os distancia da realidade presente. A mensagem cristã rompe com isso.

O Deus cristão, verdadeiro e único entre aqueles criados pela mente humana, é sim surpreendentemente sublime e santo. Todavia, a Bíblia nos revela esse mesmo Deus como um Deus imanente e pessoal, um Deus presente e cuidadoso, um Pai de amor. Esta referencia de um Deus/Pai está presente em toda a Escritura, mas é em Cristo que encontramos Deus sendo revelado como Abba, Paizinho.

Ed Renê Kivitz vai dizer que “oração não é algo que Deus ouve, mas é um coração que Deus vê”. Por isto que ensinando-nos a falar com Deus, Cristo nos instiga a chama-Lo de Abba, para lembrarmos não somente quem é o nosso Deus, mas como somos vistos por Ele! Mediante a graça Paternal e a obra redentora de Cristo (Gl 4:4-5), podemos nos achegar a Deus como crianças, filhinhos que reconhecendo o seu Pai o chamam de Abba. Aqueles que noutros tempos eram “desconhecidos” e distantes de Deus, hoje vivem uma intima relação com Ele. Crianças outrora órfãs, hoje são filhos e herdeiros do Abba celestial.

Entretanto, sabendo da miséria humana devido ao pecado, Cristo evita que como órfãos adotados não venhamos em nossa mente infantil achar em nós algo que supostamente nos torne dignos de adoção, lembrando-nos que Deus não é meramente meu ou teu Pai, mas sim nosso Pai. Devemos saber que somos chamados mediante a graça, não havendo em nós nada digno deste amor divino, para vivermos como família. Brennan Manning nos adverte para não permitirmos que nossa relação com o Abba se reduza a uma “cabine telefônica, uma comunicação em particular entre mim e Deus sem nenhuma referência ao meu irmão”.

Desta forma, a mensagem cristã se diferencia de todas as outras religiões. Não somos chamados a viver uma vida legalista distante da realidade presente, mas somos chamados a viver um relacionamento intimo com o Abba e com nossos irmãos. Que estas sejam as preces da igreja, que vivendo em família clame: “Abba, Pai” (Gl 4:6). Amém!